3M FAZ MELHORAMENTO GENÉTICO DIRECIONADO A QUALIDADE DA CARNE

Na busca pela melhoria do rebanho comercial brasileiro, a 3M Agropecuária se mantém firme em seu posicionamento inovador, definindo estratégias que podem revolucionar toda a pecuária nacional. E seu arrojo foi mais uma vez comprovado ao contratar a empresa americana Designer Genes Technologies, parceira do Programa GENEPLUS (Programa de Melhoramento Genético da Embrapa), para fazer a avaliação de carcaça, através da ultra-sonografia, de todo seu gado puro. Esta estratégia faz parte do programa 3M LIMFLEX, que a 3M lançou durante a FEICORTE, realizada em junho em São Paulo.

Segundo a zootecnista e doutora em qualidade de carne Liliane Suguisawa, da Designer Genes Technologies, responsável pela avaliação de carcaça do rebanho, a postura da 3M é inédita. A 3M é a primeira agropecuária brasileira a fazer uma avaliação profissional do tipo em todo seu rebanho, com objetivo de gerir melhor sua genética. Para tanto, foram analisados todos os índices necessários, tais como área de olho de lombo (AOL), espessura da gordura subcutânea (EGS) e a quantidade de gordura intramuscular ou marmorização da carne (MAR) de cada animal através da ultra-sonografia.

A avaliação de carcaça através da ultra-sonografia é corriqueiramente utilizada nos programas de produção de carne de qualidade, por permitir o conhecimento da área de olho-de-lombo (AOL) e espessura de gordura subcutânea (EGS), importantes indicativos do grau de musculosidade e cobertura de gordura das carcaças. Além disso, foi avaliado o grau de marmorização da carne (MAR) de cada indivíduo, através da utilização do software da Designer Genes Technologies Brasil, sendo a grande inovação tecnológica a campo para os animais 3M LIMFLEX. Com esses dados em mãos, pode-se elaborar estratégias adequadas para melhor aproveitamento individual de cada animal , disse.

Esta é primeira vez que se tem notícia de uma avaliação global do rebanho. O que é muito interessante porque, com a mensuração dos dados, pode-se gerenciar melhor os acasalamentos, explicou a doutora. Segundo ela, para fazer um cruzamento industrial de qualidade, como a 3M pretende com o LIMFLEX, é preciso utilizar animais reconhecidamente superiores, que possam gerar progênies produtivas nas condições de Brasil Central. A partir de agora, poderemos programar os cruzamentos que apresentem maior qualidade da carne, com maciez superior, marmoreio adequado e um bom rendimento de carcaça, afirmou.

Liliane Suguisawa também foi responsável pela avaliação ultra-sonográfica do primeiro lote de novilhas LIMFLEX da 3M (80 novilhas, idade média de 20 meses, criadas a pasto na região de Campo Grande/MS). No abate técnico, realizado em frigorífico comercial, os animais apresentaram peso vivo médio de 376,5 kg, peso de carcaça de 195 kg, e rendimento de carcaça de 51,80 %. A AOL média foi de 60,58 cm2, EGS média de 5,03 mm e força de cisalhamento média de 3,97 quilograma-força (kgf). Sabe-se que quanto mais alto o valor de força de cisalhamento (kgf), menos macia é a carne. De modo generalizado, valores abaixo de 5 kgf são considerados de maciez elevada.

São índices muito bons, já que os animais apresentaram boa musculosidade, gordura de acabamento excelente para a condição a pasto e valor de maciez interessante, principalmente quando lembramos que o mercado brasileiro comum consome carnes com valores superiores a 5 kgf, explicou.

O envio de animais sem EGS para o abate acarreta em penalizações aos produtores devido à alta incidência de escurecimento, desidratação e endurecimento da carne nas carcaças sem o mínimo de 3 milímetros para proteção durante resfriamento intenso das câmaras frigoríficas. Assim, a deposição da EGS é importante ferramenta na redução da idade de abate, pois animais mais precoces podem ser abatidos mais cedo. A gordura de acabamento das novilhas 3M LIMFLEX foi de 5,03 mm ultrapassando, por boa margem, o meramente aceitável (3 mm).

Para Liliane, estes primeiros resultados demonstram que a proposta do 3M LIMFLEX é interessante para a pecuária brasileira. Tudo indica que o LIMFLEX será delineado para atender as novas tendências do mercado de carne macia, de qualidade. Ela lembrou que já há algumas iniciativas para a produção de carne de qualidade sendo realizadas no País. Mas ainda estão atendendo pequenos nichos de mercado. Por isso, iniciativas como a da 3M, de produzir animais adaptados para trabalhar na produção de carne com qualidade superior, são muito bem vindas, afirmou.

De acordo com Luiz Meneghel Neto, da 3M Agropecuária, o 3M LIMFLEX é um touro rústico, de grande performance a campo, que está sendo desenvolvido como alternativa para os produtores de carne das regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil, que queiram trabalhar com cruzamento industrial em condições adversas. Meneghel explica que, nestes locais, os produtores necessitam de animais de grande resistência, que suportem o calor, umidade e longas caminhadas. Mas, ao mesmo tempo, são necessários animais que proporcionem retorno financeiro, com um bom rendimento de carcaça, terminação precoce e uma carne macia, de qualidade, diz.

Observando o mercado, principalmente esta disparidade de necessidades, a 3M Agropecuária começou a desenvolver o LIMFLEX no Brasil, com o aval da Associação Brasileira de Limousin (ABL) e pesquisadores nacionais e estrangeiros. Com o LIMFLEX, a 3M procurou melhorar as condições de terminação da raça Limousin.

O 3M LIMFLEX trabalha com base de sangue Limousin em combinação com raças britânicas (Angus) e zebuínas (Nelore, Brahman e Guzerá). O resultado é o animal que o mercado exige: adaptado, precoce e com terminação. O LIMFLEX é um touro que vai ser usado na vacada Nelore em regiões mais quentes, proporcionando um retorno financeiro garantido, garante Meneghel.



MAIS INFORMAÇÕES
MARCH COMUNICAÇÃO
(43) 3339-5354
COM TELMA ELORZA
(043) 9116-1993